Poema "Ler o mar"

LER O MAR
Tal como o céu longínquo e infinito
Vejo o mar a rimar e também a cantar,
Brancas gaivotas esvoaçantes
Riscando o ar ao esganiçar
Espantam os peixes como seu palrar
Que fugidios percorrem o caminho até ao seu lar,
Mas alguns, infelizes, não conseguem escapar.
De verde colorindo o vasto mar
E guloso pasto para os seus habitantes
Quando a sua maré enche
Por entre os deditos dos meninos rebola
E risadas estonteantes provoca,
Outras ressequindo sob o abrasante sol,
Algas perdidas na imensidão do mar.
Como companheiros, búzios e conchas,
Que aos ouvidos sons encantam
E a imaginação desenrola nas ondas do nosso coração.
Brilhante deserto de raios coloridos ensombrado,
Meus pés em ti se afundam
E imponentes castelos constroem
Que irão ser derrubados por saltitantes ondas
Ondas furiosas que cavalgam pelo mar fora,
E embatem delicadamente nas circundantes rochas
Desmaiando de cansaço na sua cristalina espuma.
E todo esse imenso mar
Nas minhas memórias habita
A sua água o meu corpo percorre,
E no seu leito findarei,
Nele rejuvenescerei e nele novas formas de viver inventarei.
publicado por smamede2a às 14:37
link do post | comentar | favorito